6.7.09

A primeira coletânea Steampunk do Brasil

Recebi informações sobre o livro em que vai ser publicada a minha noveleta "Cidade Phantástica".

Steampunk - Histórias de um passado extraordinário vai trazer textos de nove autores em 184 páginas. O lançamento será nos dias 25 e 26 de julho, das 11 às 19 horas, durante a Fantasticon 2009 – III Simpósio de Literatura Fantástica que ocorrerá na Biblioteca Temática de Literatura Fantástica Viriato Corrêa, na Rua Sena Madureira, 298 – Vila Mariana – São Paulo – SP.

Abaixo você pode conferir a capa do livro e alguns detalhes dos contos e autores presentes na obra, editada pela Tarja Livros.


Gianpaolo Celli trouxe uma história clássica, com referências históricas reais misturadas com ação e intrigas, envolvendo sociedades secretas e o prelúdio do que se tornou a guerra Franco-Prussiana. Fábio Fernandes apresentou uma adaptação primorosa do complexo de Frankenstein, com uma visão fascinante de um futuro onde a sociedade divide seu espaço com a maquinidade. Antônio Luiz rompe as amarras do metal, trabalhando avanços em outra área de estudo, com ambições até mesmo maiores e mais perigosas: a medicina. Alexandre Lancaster cedeu uma narrativa com ares de ficção científica, onde a ciência aponta que somente pode ser vista com simpatia se for inofensiva, caso contrário, torna-se uma maldição. Roberto Causo transporta o leitor para uma viagem repleta de escaramuças pelas selvas de nosso país, mas não entre as árvores, mas acima delas, mostrando Santos Dummont de uma forma inusitada. Claudio Villa arremessa o leitor para o mar, singrando suas águas acima e abaixo, em busca de um tesouro que leva o leitor aos ares do terror lovecraftiano. Jacques Barcia nos dá um conto “estranho”, unindo o drama da guerra, máquinas quase humanas e seres inacreditáveis da mitologia em um caldo que realmente proporciona uma nova criação. Romeu Martins transporta o leitor para um ambiente de faroeste à brasileira, com o clima típico desse estilo de folhetim, mas com heróis e bandidos extremamente vaporosos. E Flávio Medeiros encerra as páginas da obra com chave de ouro, mostrando os clássicos dirigíveis e submergíveis em um drama de honra que certamente agrada muito aos apreciadores do gênero.

2 comentários:

MilaF disse...

Com ótimo trabalho de capa do Marcelo Tonidandel. ;-)

Romeu Martins disse...

É ele, né? O excelente capista de Fome, do Tibor Moricz. A Tarja está bem servida na área...

Ibope